Ignorar Comandos do Friso
Saltar para o conteúdo principal
Portal UMinho

Agenda




Portal UMinho > PT > Cultura > Agenda

 Agenda

Arquivo Distrital e Biblioteca Pública de Braga homenageiam poeta João Penha

De segunda-feira, 4.02.2019 até terça-feira, 2.04.2019
Até 2 de abril | Braga
O Arquivo Distrital de Braga (ADB) e a Biblioteca Pública de Braga (BPB) assinalam os 100 anos da morte do poeta e advogado João Penha com exposições, uma conferência e um recital. Aquele bracarense introduziu no país a corrente literária do parnasianismo, dirigiu as publicações “A Folha” e “República das Letras” e foi parte ativa da Geração de 70, a par de figuras como Eça de Queirós e Antero de Quental.

João Penha tem o seu espólio documental à guarda da ADB e BPB, ambas unidades culturais da UMinho. No átrio da BPB pode desvendar-se até 2 de abril as publicações do autor, incluindo de caráter jurídico, ensaios, prefácios, artigos em periódicos, edições sobre a sua obra, cartas e conteúdos sobre o movimento académico-cultural da Geração de 70 ou de Coimbra. Dava-se ainda relevo a periódicos que dirigiu e à “A Chronica” a si dedicada em 1902, que teve 50 colaboradores.


A curta distância, na sala de exposições do ADB, há para ver manuscritos literários, colaborações na imprensa e correspondência deste vulto da cultura portuguesa, nomeadamente missivas com Camilo Castelo Branco e Bernardino Machado, a carta de membro aceite na Academia Real das Ciências, o seu assento de nascimento e óbito ou os livros póstumos “Últimas rimas” e “O canto do Cisne”. A entrada nas exposições é livre nos dias úteis, das 9h00 às 12h30 e das 14h00 às 17h30.


Recital do Sindicato de Poesia a 21 de março

Entretanto, o ADB recebeu a 15 de fevereiro, às 18h00, a conferência “‘Em pé, erguido n’um marmóreo sócco: evocação de João Penha no centenário da sua morte”, por Elsa Pereira, do Centro de Linguística da Universidade de Lisboa. A oradora fez o doutoramento no Porto com uma tese sobre a obra de João Penha, já publicada, e tem em mãos a edição crítico-genética da poesia de Pedro Homem de Mello, entre outros trabalhos sobre cultura e literatura portuguesa.

O programa incluiu ainda um recital com poemas penhianos, escolhidos
por Henrique Barreto Nunes e interpretados pelo Sindicato de Poesia (Ana Cristina Oliveira, António Durães, Daniel Pereira, Dinarte Branco, Maria do Céu Costa, Sebastião Maia), no dia 21 de março, às 18h00, no salão nobre do Largo do Paço, em Braga. O alinhamento englobou 18 poemas: "Almôço Campestre", "Autobiographia", "No Verão", "O Juiz", "A Aldeia", "Freira", "O Eterno Feminino", "A Avaliação", "Record", "Lamúrias", "O Brito", "A Ré", "A Derrocada", "VIII Canção de Bohemios", "Última Vontade", "Como Eva", "Em Coimbra" e "O Fim".

Sobre João Penha


João Penha Oliveira Fortuna (1839-1919) cursou Teologia e formou-se em Direito na Universidade de Coimbra, cidade onde se fez poeta e dirigiu “A Folha”, tendo Guerra Junqueiro entre os colaboradores. Voltou depois a Braga para exercer advocacia e magistratura. O seu nome é evocado num busto e num largo em Braga e numa rua da Póvoa de Varzim, local onde passava férias. Publicou cinco livros de poesia e prosa. O seu mérito literário foi secundado devido a outros nomes cimeiros da Geração de 70 e de Orpheu, na visão das autoras Amália Ortiz da Fonseca e Estela Guedes. Para Camilo Castelo Branco, Penha deu “ao soneto um cachet nacional, que ele nunca tivera desde a languidez petrarquista de Camões até ao rufo de zabumba e caixa dos sonetos bocagianos”.

+Info: www.adb.uminho.pt, www.bpb.uminho.pt,
facebook.com/SindicatoDePoesia, facebook.com/events/598506130576854

Exposições "Mezclum" e "Momentos", de Júlia Barreiro, Rosa Crespo e Ramón Crespo, na Casa Museu de Monção

De terça-feira, 19.02.2019 até sexta-feira, 29.03.2019
Até 29 de março. Casa Museu de Monção
Mostras de pintura em aguarela "Mezclum", de Júlia Barreiro, e de escultura "Momentos", dos também espanhois Rosa Crespo e Ramón Crespo, de 19 de fevereiro a 29 de março, na sala de exposições temporárias da Casa Museu de Monção, uma unidade cultural da UMinho naquela vila altominhota. Entrada livre de terça a sexta-feira, das 9h30 às 12h00 e das 14h00 às 17h00, e ao sábado, das 14h00 às 18h00.

Em "Mezclum", como o nome sugere, há duas fases mistas da pintura do autor. Uma mais figurativa, onde capta o prazer de observar coisas, tecidos, bolas de lã, abóboras, com outra mais feminina e expressiva, onde o protagonismo é reservado para as mulheres. São aguarelas que expressam sentimentos, com uma técnica característica de toda a pintura da autora. "Momentos" é um conjunto de peças de cerâmica, escultura em madeira, técnica Raku, onde a oliveira e o carvalho são os mais importantes. Supõem momentos de criação, nos quais modelos espontâneos e tamanhos não estabelecidos surgem livremente.

- Fotos:
facebook.com/media/set/?set=a.2143525749034249, facebook.com/casamuseudemoncaouminho/posts/2165451430175014

Seminário Internacional "Pensar Barroco - da talha dourada às práticas artísticas contemporâneas"

De quarta-feira, 27.03.2019 até sexta-feira, 29.03.2019
Museu Nogueira da Silva, Av. Central, Braga
Seminário Internacional "Pensar Barroco - da talha dourada às práticas artísticas contemporâneas" de 27 a 29 de março em Braga, designadamente no Museu Nogueira da Silva (unidade cultural da UMinho), no Recolhimento das Convertidas ​e no Museu dos Biscainhos. Programa com palestras, residências artísticas, workshop de talha dourada e espetáculo audiovisual de Hugo Correia.

Oradores convidados de Portugal, Espanha, Reino Unido e Holanda, incluindo artistas contemporâneos e investigadores da história da arte, crítica e restauro: Luís Casimiro, João Carlos da Costa Soares, Luís Miguel da Ponte Marques, Ana Brito, Rita Veiga, Marcelo de Melo, Adam King, Manuel Barbero e Leonel Costa.

Iniciativa na continuidade do projeto ART-MAP “Pensar Barroco”(2017), visando criar condições para construir a área interdisciplinar resultante do cruzamento entre investigação artística contemporânea e estudos patrimoniais. Público-alvo: artistas e académicos com interesse em áreas teórico-práticas do restauro e história da arte até à criação artística contemporânea e experimentação com novos meios.

+Info:
zmadart.wixsite.com/art4heritage, facebook.com/events/388337731748653, facebook.com/events/1288105471336566, facebook.com/events/2089820274642033

Festival de tunas "VI MomentMUM"

sábado, 30.03.2019
Forum Braga
Sexta edição do festival de tunas "MomentMUM", sob o tema "Fado", a 30 de junho, às 21h00, no Altice Forum Braga. Iniciativa da Tuna de Medicina da UMinho (TMUM), com tunas mistas de todo o país e a artista convidada Isa de Castro.

Tunas a concurso
- Phartuna - Tuna de Farmácia de Coimbra
- ForTuna - Tuna Académica da Nova SBE (Lisboa)
- Semper T'unos - Tuna Mista Académica ESS-IPS (Setúbal)
- Educatuna - Tuna Mista da Escola Superior de Educação de Paula Frassinetti (Porto)

PROGRAMA

29 de março (sexta-feira)
22h00 | Rally Rick Universal, no centro histórico de Braga
24h00 | After-Party, no Bar Académico de Braga

30 de março (sábado)
15h00 | Pasa Calles, na 52ª Agro - Altice Forum Braga
21h00 | Festival "VI Momentmum Fado", no Altice Forum Braga
01h30 | After-Party, no Bar Académico de Braga

31 de março (domingo)
13h00 | Brunch de encerramento, na Escola Secundária Alberto Sampaio, Braga

+Info: facebook.com/events/281123595896761, facebook.com/tunamedicinaum

Exposição de pintura "Agar", de Ana Manso

De sexta-feira, 15.03.2019 até domingo, 28.04.2019
Nova Galeria do Largo do Paço, Braga
A exposição de pintura “Agar”, de Ana Manso, foi inaugurada a 15 de março, às 18h00, na nova Galeria do Largo do Paço, em Braga. A sessão contou com a presença da artista e da vice-reitora para a Cultura e Sociedade, Manuela Martins. A mostra ficará patente até 28 de abril, com entrada livre de segunda-feira a sábado, no período das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 18h00.

Ana Manso nasceu em 1984 e vive em Lisboa. Expõe regularmente desde 2007. As suas pinturas são feitas a partir de processos de acumulação de camadas e de justaposições, que tanto revelam ou escondem partes do seu processo, e sugerem uma leitura revista das disciplinas artísticas, através de elementos esculturais ou cinemáticos. Os seus trabalhos recentes trazem uma palete de cores mais escura e linguagem de abstração mais complexa. A sua tendência de repetir um corpo de padrões e símbolos desafia fronteiras e a compreensão do público.