Ignorar Comandos do Friso
Saltar para o conteúdo principal
Portal UMinho

Eventos




 Eventos

A Escola de Medicina dá as boas-vindas aos novos estudantes

De segunda-feira, 10.09.2018 até segunda-feira, 30.09.2019
A Escola de Medicina dá as boas-vindas aos novos alunos do curso e da academia, depois de revelados os resultados da 1ª fase de candidaturas. As 120 vagas disponíveis no curso de Medicina da Universidade do Minho foram todas ocupadas, contribuindo para os quase 3.000 alunos colocados em Gualtar e Azurém.

Medicina continua no topo da tabela minhota, com a média mais elevada do último colocado (18,05 valores), sendo também o 10.º curso com a última nota mais alta a nível nacional.

Durante esta semana – até dia 14 de setembro – os novos alunos terão de se matricular na Universidade do Minho, sendo necessários o cartão de cidadão e o boletim de vacinas. Depois de inscrito é só esperar pelo início da vida universitária.

Se tiveres alguma dúvida sobre todo o processo, contacta-nos e nós ajudamos-te. Bem-vindos à Escola de Medicina.

Celebrações do 10º aniversário da Escola de Psicologia

De terça-feira, 30.04.2019 até sexta-feira, 8.11.2019
30 DE ABRIL | 11H30
Anfiteatro Multimédia - Escola de Psicologia
WHEN THE UNTHINKABLE HAPPENS: THE CASE OF THREE GENERATIONS OF THE HOLOCAUST
Avi Sagi-Schwartz
Center for the Study of Child Development and Department of Psychology University of Haifa, Israel

4 DE MAIO

ESCOLA DE PORTAS ABERTAS O QUE É SER PSICÓLOGO? UMA PRÁTICA BASEADA NA CIÊNCIA

8 DE MAIO | 14.30H

Anfiteatro Multimédia - Escola de Psicologia
A PSICOLOGIA EM INTERFACE COM O DIREITO E A ARQUITETURA

29 DE MAIO |14.30H

Anfiteatro Multimédia - Escola de Psicologia
PERCURSOS PROFISSIONAIS: WORKSHOP DE COMPETÊNCIAS DE EMPREGABILIDADE

12 DE JUNHO | 14.30H

Anfiteatro Multimédia - Escola de Psicologia
A PSICOLOGIA EM INTERFACE COM A ENGENHARIA

11 DE SETEMBRO | 14.30H

Anfiteatro Multimédia - Escola de Psicologia
CONTEXTOS DE EXCELÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PSICÓLOGOS

25 DE SETEMBRO | 14.30H

Anfiteatro Multimédia - Escola de Psicologia
A PSICOLOGIA EM INTERFACE COM A ECONOMIA

2 DE OUTUBRO |14.30H

Anfiteatro Multimédia - Escola de Psicologia
A PSICOLOGIA EM INTERFACE COM A POLÍTICA: NARRATIVAS DE VIOLÊNCIA POLÍTICA, HISTÓRIAS DE VIDA E EX-MILITANTES

9 DE OUTUBRO

RÁDIO UNIVERSITÁRIA DO MINHO - DIRETO (hall nascente EPsi)
TERTÚLIA: O PRESENTE E O FUTURO DA PSICOLOGIA

4 A 8 DE NOVEMBRO

SEMANA IBÉRICA
DOS MINIFÚNDIOS GENÉTICOS AO LATIFÚNDIO AFETIVO

30 DE ABRIL A 8 DE NOVEMBRO

EXPOSIÇÃO FOTOGRAFIAS
PSICOLOGIA: UMA DÉCADA DE ESCOLA, TRÊS DÉCADAS DE HISTÓRIA NA UNIVERSIDADE DO MINHO

- Vídeos da sessão comemorativa (30 abril | 2019)
facebook.com/EPsi.UM/videos/339682193407720 (0h44m), facebook.com/EPsi.UM/videos/339682193407720 (1h21m)

Ano Internacional da Tabela Periódica (IYPT2019)

De terça-feira, 29.01.2019 até terça-feira, 31.12.2019
Escola de Ciências da Universidade do Minho
A Tabela Periódica, enquanto ícone da química, representa o carácter central desta ciência nas suas interfaces com as restantes áreas do conhecimento científico e das tecnologias. A celebração decretada pelas Nações Unidas é uma oportunidade para mostrar a centralidade da química e o seu papel na resolução dos grandes problemas da humanidade, numa ótica de desenvolvimento sustentável, nas áreas do ambiente, energia, alimentação ou saúde. As celebrações devem também servir para promover a consciencialização da sociedade para o papel da química enquanto ciência promotora do desenvolvimento e bem-estar e motivar as novas gerações para carreiras nas áreas das ciências e tecnologias.

A Escola de Ciências da Universidade do Minho junta-se às comemorações do IYPT2019, propondo uma série de atividades que terão lugar ao longo do ano de 2019 e que poderão ser consultadas neste link https://www.ecum.uminho.pt/pt/Sociedade/Paginas/Ano-Internacional-da-Tabela-Peri%C3%B3dica.aspx

Iniciação à Programação Neurolinguística

De sábado, 20.07.2019 até sábado, 27.07.2019
Sala de Reuniões do Instituto de Ciências Sociais, Campus de Gualtar
A ação de formação é promovida pelo Departamento de Sociologia da Universidade do Minho e o Projeto Intervir e, tem como objetivo promover a aquisição e melhorar a capacidade de utilização conhecimentos e técnicas de Programação Neurolinguística em contexto pessoal. Destina-se a pais, educadores, diretores, responsáveis pedagógicos, estudantes, professores, e outros profissionais que, pela natureza dos seus papéis e funções, necessitem de ferramentas para obter mais e melhores resultados ao nível das relações interpessoais.

Objetivos e os conteúdos programáticos em anexo.

Para mais informações e inscrição contactar a Secretaria Departamento de Sociologia:
253604212 | sec-ds@ics.uminho.pt

Ciclo de Conferências ‘História e Filosofia das Ciências’

De quinta-feira, 11.10.2018 até segunda-feira, 30.09.2019
Anfiteatro da Escola de Ciências, Edifício 6, Campus de Gualtar, Braga
1ª Conferência | 11 de outubro | 15h
‘A construção de uma imagem global da Terra no século XVI’
Henrique Leitão, CIUHCT, Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa

Resumo:
A relevância actual de conceitos globais acerca da Terra, como os de ambiente global ("global environment") ou clima global ("global climate"), não precisa de explicação. Mas exactamente como se formaram essas noções? Ou, mais precisamente, qual foi o processo histórico que levou das experiências circunscritas de pessoas isoladas à noção de uma Terra global? Nesta apresentação proponho um olhar sobre as circunstâncias específicas do século XVI, para mostrar como a expansão marítima foi um factor crucial nesse processo. Tentarei mostrar que, muito mais do que o simples aumento de conhecimento geográfico, o que tomou forma na altura foi um conjunto totalmente novo de conceitos que estão na origem da noção de uma Terra global.

2ª Conferência | 4 Janeiro | 15h
‘História da Botânica (séculos XVI-XVIII). A contribuição de Garcia da Orta, Gabriel Grisley e Domingos Vandelli’
João Paulo Cabral, Faculdade de Ciências da Universidade do Porto

Resumo:
Que fontes disponíveis temos para o estudo da história da botânica? De que forma as obras de botânica reflectem a época e a sociedade em que foram escritas? Que informações nos dão sobre os hábitos alimentares, as plantas usadas na medicina e a paisagem natural do seu tempo? A partir da vida e obra de Garcia de Orta, Gabriel Grisley e Domingos Vandelli, que percorrem três séculos da história de Portugal, pretende-se equacionar respostas a estas questões, entendendo a história da botânica na confluência das ciências naturais com as ciências históricas, e tendo como base de estudo as fontes documentais primárias.

3ª Conferência | 22 Fevereiro | 15h
‘A náutica na obra de Pedro Nunes’
João Filipe Queiró, Faculdade de Ciências e tecnologias da Universidade de Coimbra

Resumo:
Uma parte importante da obra matemática de Pedro Nunes foi dedicada à ciência náutica, área do conhecimento cuja criação pode ser-lhe atribuída. Na palestra serão descritos e analisados os principais contributos de Pedro Nunes nesse tema.

4ª Conferência | 28 Junho | 15h
‘Photographers of Chemistry: Art and Documentation'
Santiago Alvarez, Departament de Química Inorgànica i Orgànica and Institut de Química Teòrica i Computacional, Universitat de Barcelona

Resumo:
A number of photographers have contributed with an artistic vision to the graphic documentation of chemistry through its protagonists, their laboratories, the substances and their reactions. Images to be discussed include the early portraits of famous chemists, and photographs of colorful or spectacular chemical reactions shown in Chemistry textbooks. Special attention is paid to the fascinating images of laboratory glassware made by the German photographer Albert Renger-Patzsch, to the work on the atoms and elements of North American science photographer Fritz Goro, and to the photographs of the Solvay Conferences taken by the Belgian "photographe d'art" Benjamin Couprie. It will be shown how in many of those works graphic documentation and art walk hand by hand.

5ª Conferência
| 12 de julho| 15h

‘A Geologia ao serviço do Estado no século XIX'
Ana Carneiro, Centro Interuniversitário de História das Ciências e da Tecnologia, Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa

Resumo:
Em Portugal, os serviços geológicos foram criados, em 1857, no âmbito do Ministério das Obras Públicas, Comércio e Indústria. Tiveram por missão a realização de estudos destinados à produção e publicação de cartas geológicas, contribuindo, assim, para a concretização de desígnios do regime liberal, nomeadamente, o conhecimento e domínio do território e as políticas de desenvolvimento, assentes no aproveitamento dos recursos naturais e na construção de infraestruturas. A criação dos serviços geológicos portugueses integrou-se num movimento mais amplo ocorrido em diversos países, baseado numa tradição geológica pré-existente, que levou ao surgimento deste tipo de instituições na Europa e nos Estados Unidos e à institucionalização e profissionalização da geologia. Em Portugal, no entanto, devido à ausência de uma ‘cultura geológica’, os serviços geológicos inauguraram, localmente, a prática geológica em larga escala, segundo padrões adoptados pela comunidade internacional. São, por essa razão, incontornáveis na institucionalização da geologia, no país, e na internacionalização do conhecimento geológico produzido. Desde o início, que a intensa participação e colaboração com a comunidade geológica internacional marcaram a vida dos serviços geológicos portugueses, que se constituíram, assim, como um elemento da representação externa do Estado. Nesta conferência, a história dos serviços geológicos portugueses será traçada, dando especial ênfase à sua estrutura, organização, pessoal científico e técnico, bem como às práticas e produção científica, com especial destaque para a cartografia, e às relações internacionais.

6ª Conferência | Setembro | 15h
‘O infinito e a busca de fundamentos do finito'
Álvaro Balsas, Universidade Católica Portuguesa - Braga

Resumo:
A ideia de infinito atravessa toda a história da filosofia e do pensamento, surgindo em áreas tão diversas como a matemática, a física, a metafísica, entre outras. Nessa ideia manifestam-se entrelaçadas componentes intelectivo-racionais e intuitivo-holísticas das diferentes realidades abordadas por aquelas disciplinas. Assim, o conceito de infinito, muitas vezes considerado como um “conceito-limite” ou “conceito primordial”, do qual derivam todos os outros conceitos, não só se apresenta como um conceito central na sua relação com as diversas realidades finitas, mostrando, desse modo, a sua natureza multiforme e interdisciplinar, como parece exercer, como poucas outras noções, uma função tão verdadeiramente estimuladora e fundamentadora da criação do espírito humano. Em particular, o conceito de infinito suscita algumas inevitáveis questões: O infinito corresponde a algum referente real, que pode ser encontrado no Universo, ou é apenas uma construção da mente humana? O mundo da nossa experiência quotidiana estará apoiado ou encrustado em alguma realidade infinita que o transcenda? Um breve percurso pela história do pensamento relativa ao conceito de infinito permitir-nos-á ensaiar algumas possíveis respostas a essas questões e outras análogas.